Somos mesmo a geração “mimimi”?