FOLHA METROPOLITANA Jornal diário de Joinville e Araquari

Quem SomosAnuncieContato /     Publicações Legais

   jornalismo@folhametropolitana.com

Santa Catarina deve ser o primeiro estado a acolher gaúchos atingidos por enchentes, diz deputado

O deputado estadual Fabiano da Luz (PT) ressaltou, na tribuna da Assembleia Legislativa (Alesc), que o estado de Santa Catarina é o vizinho mais próximo do Rio Grande do Sul e deve ser o primeiro a estender as mãos e abrir os braços para receber os gaúchos que perderam tudo nas enchentes. “Devemos dizer que aqui também é terra deles e que aqui terão uma oportunidade de reconstruir as suas vidas.”

Ele destacou que as águas ainda não baixaram e a previsão é de que permaneçam por muitos dias ainda cobrindo casas, bairros e cidades. “Muitos já sabem que perderam as suas casas, que os filhos perderam as escolas e que seus empregos estão sob risco, porque muitas empresas não estão mais naquele local.”

O deputado disse que não há outro caminho para muitos a não ser buscar uma nova vida. “Já têm relatos de algumas famílias que chegaram à região oeste, tenho certeza de que em outras regiões também, porque têm parentescos e buscam abrigo a quem os acolhe e lhes estende a mão.”

Para Fabiano, devemos aprender mais uma vez a tratar o migrante ou o imigrante como um cidadão, “porque as divisas, as cercas, os territórios foram criados pelo homem e não pode ser isto o que nos divide. Precisamos unir todos os esforços para acolhê-los, independente de onde vêm.”

Migração

O deputado Fabiano lembrou que em 194, na grande enchente que ocorreu no RS, muitos gaúchos migraram a terras novas porque perderam tudo. “Isto aconteceu com meu avô que saiu do interior de Lajeado com uma carroça, uma junta de bois e os filhos em cima. Ao longo do percurso, nas paradas para dormir encontraram abrigo em algumas propriedades, em outras mandavam seguir adiante porque não queriam saber de pessoas próximas. E foi assim com os avós de muitos de vocês”, comentou.

Ele acrescentou que o mesmo aconteceu com os ancestrais que vieram da Europa e de muitos outros lugares fugindo de guerras. “Tem sido assim ao longo da história da construção de SC, com pessoas que vieram dos mais diversos lugares do mundo e nas mais diversas condições. É assim com os haitianos, fugindo da violência, os venezuelanos da situação econômica, os muçulmanos e os ucranianos das guerras, com os nordestinos em busca de uma terra nova. E assim como agora que estamos começando a viver mais uma vez a situação de gaúchos que estão migrando para outras regiões, muitos para a nossa SC.”

Segundo ele, que sejam cubanos, palestinos ou russos quem tiver vindo em busca de uma terra prometida, de uma vida nova, “que nós saibamos acolher estas pessoas e aproveitar a oportunidade de potencial para nos desenvolver e crescer ainda mais. A humanidade precisa de mais seres humanos, com mais fraternidade dentro de si.”

Receba notícias em seu celular pelo grupo de WhatsApp do jornal Folha Metropolitana Curta nossa página do Facebook e siga-nos no Instagram

Folha Metropolitana

A diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida… Oscar Wilde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *