FOLHA METROPOLITANA Jornal diário de Joinville e Araquari

Quem SomosAnuncieContato /     Publicações Legais

   jornalismo@folhametropolitana.com

Sábado cultural na Cidadela Antarctica: artista joinvilense oferece oficina gratuita de performance e intervenção urbana e faz apresentação com roda de conversa 

Atividades ocorrem pela manhã e no final da tarde, em dois galpões da Cidadela Cultural Antarctica

Neste sábado, 25 de maio, a atriz e mulher com deficiência Nathielle Wougles oferece ao público uma agenda repleta de atrações artísticas gratuitas na Cidadela Cultural Antárctica. 

Pela manhã, das 9h às 12h, Nathielle promove uma oficina de performance e intervenção urbana. A atividade será realizada no galpão da Ajote (Associação Joinvilense de Teatro) e dispõe de vagas limitadas. As pessoas interessadas podem se inscrever pelo link

A oficina tem como objetivo promover um espaço de diálogo sobre os corpos com deficiência e sua existência no território urbano. “Essa relação foi a chave da minha pesquisa de mestrado. Eu queria entender porque as pessoas estão em alguns espaços e não em outros e como se dá o apagamento desses corpos na cidade”, afirma Nathielle Wougles. 

A programação inclui exercícios de experiência corporal, princípios da poesia concreta, que é intimamente ligada ao espaço urbano, e criação de lambe-lambes, também conhecidos como cartazes de rua.

Esse encontro é a contrapartida social do projeto “¡Resiste Corazón!”, realizado pelo IMPAR e contemplado pelo edital de chamamento do Simdec (Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura – FMIC) de 2022.  

Performance artística inédita 

Já no final da tarde, às 18h, a artista apresenta a performance “Capacidade Corporal Compulsória”, seguida de uma roda de conversa, no galpão da Associação de Artistas Plásticos de Joinville (AAPLAJ), também dentro da Cidadela Cultural Antárctica. 

Na apresentação, Nathielle traz à tona reflexões sobre seu próprio corpo, discute sobre capacitismo, preconceito direcionado às pessoas com deficiência, e a imposição da produtividade capitalista nos corpos com deficiência. 

“Sempre soube que sou pessoa com deficiência, mas comecei a me identificar politicamente como tal já na fase adulta. Foi a arte que me trouxe esse lugar de reflexão, de entendimento sobre como meu corpo era lido como diferente e causava estranhamentos, e também me oportunizou me apropriar desse meu corpo e entendê-lo como potência”, conta Nathielle. 

O evento é gratuito e as pessoas interessadas em participar podem reservar ingressos com a produtora Manoella Carolina Rego, pelo whatsapp (47) 98816-7721.  

Esse trabalho de experimentação artística foi proposto por Nathielle Wougles e selecionado pelo Edital Lei Paulo Gustavo LPG SC 2023 e é executado com recursos do Governo Federal e Lei Paulo Gustavo de Emergência Cultural, por meio da Fundação Catarinense de Cultura.

Sobre Nathielle Wougles 

Nathielle Wougles é terapeuta ocupacional e artista DEF de Joinville/SC, com 20 anos de trajetória. Mestre em Artes da Cena e Mediação Cultural pela Escola Superior de Artes Célia Helena em parceria com a Escola Itaú Cultural. Desde 2018, é presidente do Instituto de Pesquisa da Arte pelo Movimento – IMPAR e integrante da equipe do Programa de Formação Cultural Arte para Todos. 

Receba notícias em seu celular pelo grupo de WhatsApp do jornal Folha Metropolitana Curta nossa página do Facebook e siga-nos no Instagram

Folha Metropolitana

A diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida… Oscar Wilde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *