FOLHA METROPOLITANA Jornal diário de Joinville e Araquari

Quem SomosAnuncieContato /     Publicações Legais

   jornalismo@folhametropolitana.com

Polícia Civil desenvolve protocolo de resposta rápida para ataques a escolas e outros casos críticos

Para reforçar a segurança da comunidade escolar, a Polícia Civil de Santa Catarina desenvolveu nos últimos meses o Protocolo Presente, resposta imediata para casos críticos, ataques especialmente a escolas. A importante ferramenta está sendo desenvolvida em parceria com as secretarias estaduais da Educação e da Saúde e deve ser lançada até o começo do ano letivo.

“Vamos capacitar 1.800 policiais civis para atender nas escolas próximas do trabalho deles e das residências, em articulação com as secretarias da Saúde e da Educação, visando cessar a agressão”, anunciou o delegado-geral Ulisses Gabriel. Ele destacou que o protocolo foi desenvolvido a partir dos conhecimentos adquiridos pelos policiais civis que participaram do Curso da SWAT, em agosto deste ano.

O protocolo prevê o mapeamento das instituições de ensino, adaptação das técnicas de defesa de acordo com a área a ser resguardada e treinamento teórico e prático das equipes de policiais que poderão atender em caso de ataques.

Atuação interestadual do Ciberlab

Além da resposta rápida a um fato, outro foco do trabalho da PCSC é detectar e combater qualquer tipo de ameaça que envolva risco aos estudantes e professores catarinenses. A Polícia Civil por meio da Diretoria de Inteligência (DIPC) e do Ciberlab, mantém uma vigilância ampla e constante de possíveis ameaças às instituições de ensino, disseminadas por redes sociais.

Ao longo de 2023, foram registradas e investigadas 129 ocorrências envolvendo algum tipo de ameaça à unidade escolar. Essas apurações resultaram na condução de 63 pessoas às delegacias. As investigações levaram os policiais a solicitar e obter do Poder Judiciário autorização para a realização de 44 mandados de busca e apreensão de 29 adolescentes. O saldo desse trabalho é que não houve nenhuma tentativa de ataque ou ataque efetivo.

“A atuação do Ciberlab neste ano foi fundamental para garantir a segurança da população catarinense. Além disso, essa unidade da PCSC apoia também outros estados e até outros países”, destacou o delegado-geral da PCSC.

Em 2023, foram 39 relatórios de inteligência e técnicos emitidos pelo Cyberlab, sendo 23 deles para Santa Catarina, 15 para outros estados da federação e um para o México. Desse total, 26 relatórios eram sobre casos envolvendo ameaças a escolas.

Santa Catarina, Presente!

Outro dado que demonstra a preocupação da PCSC e do governador Jorginho Mello é a realização de exercício integrados envolvendo todas as forças de segurança. Na operação Santa Catarina, Presente! realizada nos dias 10 e 11 de outubro, 1.632 escolas foram visitadas por equipes das forças de segurança envolvendo 542.537 alunos. O exercício integrado teve como foco reforçar os protocolos de segurança nas escolas, garantindo assim a tranquilidade de estudantes, professores e alunos.

Receba notícias em seu celular pelo grupo de WhatsApp do jornal Folha Metropolitana Curta nossa página do Facebook e siga-nos no Instagram

Folha Metropolitana

A diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida… Oscar Wilde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *