FOLHA METROPOLITANA Jornal diário de Joinville e Araquari

Quem SomosAnuncieContato /     Publicações Legais

   jornalismo@folhametropolitana.com

Nadador olímpico Eduardo Fischer apresenta sua autobiografia na Feira do Livro de Joinville

A vida de um atleta de alto rendimento é de intensa preparação, muitos obstáculos e conquistas. É o que a autobiografia do nadador olímpico Eduardo Fischer, de Joinville, revela. O livro “Fischer – de peito aberto: A trajetória de um atleta olímpico” já foi lançado em Joinville, Blumenau, Florianópolis, Curitiba e São Paulo. E agora, Fischer vai participar da Feira do Livro de Joinville e encarar de “peito aberto” o público leitor. Será a primeira participação do nadador-escritor em uma feira literária. O bate-papo, seguido de sessão de autógrafos, será dia 15 de junho, às 18 horas, no Complexo do Centreventos Cau Hansen, onde a Feira do Livro será realizada, de 6 a 16 de junho.

Eduardo Fischer conta que se lançou neste desafio, como escritor, para contar sua história no esporte de alto rendimento, desde o início, em Joinville, até a disputa de duas edições dos Jogos Olímpicos: Sydney (2000) e Atenas (2004). Isso sem falar nas seis participações em campeonatos mundiais. Foi medalha de bronze no Mundial de 2002, em Moscou, nos 50m peito; semifinalista dos 100m peito em Atenas; mais de 30 vezes recordista brasileiro e sul-brasileiro nas provas de peito e multimedalhista em Copa do Mundo, Pan-Americano, Sul-Americano, campeonatos nacionais e regionais. Mas nessa trajetória, ele nem sempre “nadou de braçada” (como dito no jargão popular) , houve dificuldades.

“Falo sobre o jogo de interesses no comando da entidade que rege o esporte e a luta que tive para ajudar a tentar mudar isso”, enfatiza o nadador joinvilense, que depois, fora das piscinas chegou a ser diretor de natação da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos no ciclo para a Olimpíada de Tóquio – 2020, e atualmente atua como advogado na área tributária no CMMR Advogados, em Joinville.

Ainda com relação à autobiografia, Fischer diz que a obra é dedicada ao filho, Pedro, para que conheça toda sua história esportiva, mas que o livro serve de inspiração não só para outros atletas, mas para todas as pessoas que tem um objetivo de vida e lutam para alcançá-lo mesmo diante das inúmeras dificuldades da vida.

Receba notícias em seu celular pelo grupo de WhatsApp do jornal Folha Metropolitana Curta nossa página do Facebook e siga-nos no Instagram

Folha Metropolitana

A diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida… Oscar Wilde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *