LUIZ CARLOS PRATES: Uma pergunta