LUIZ CARLOS PRATES: Ter e não ter