LUIZ CARLOS PRATES: O telefone é a saída