FOLHA METROPOLITANA Jornal diário de Joinville e Araquari

Quem SomosAnuncieContato

   jornalismo@folhametropolitana.com

Especialistas explicam o retinoblastoma, câncer que acomete os olhos de crianças

No último final de semana, o jornalista e apresentador Tiago Leifert e sua esposa, a também jornalista Daiana Garbin, revelaram, nas redes sociais, que sua filha, de apenas um ano, está com um tipo raro de câncer no olho. A doença chama-se retinoblastoma e surge, em geral, em crianças ainda pequenas, um dos motivos que torna o diagnóstico precoce muito mais complexo e importante.

Em entrevista, o médico oftalmologista do Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem, empresa do Grupo Opty, Dr. Mário Junqueira Nóbrega, explicou que retinoblastoma é o crescimento descontrolado de células da retina (fina membrana, no fundo do olho, que transforma a luz em visão) e atinge, em geral, crianças até os 5 anos de idade. O principal sinal da doença é o reflexo branco da pupila. “É parecido com o brilho dos olhos de um gato quando iluminados à noite. As crianças também podem ficar estrábicas (vesgas), ter dor e vermelhidão nos olhos ou perder a visão”, explica o médico. O diagnóstico precoce, através do exame oftalmológico no 1o. ano de vida e depois em intervalos regulares, permite o tratamento, com laser ou congelamento da lesão, e a preservação da visão e da vida da criança. Em casos mais avançados, podem-se indicar quimioterapia, radioterapia ou mesmo a remoção do olho afetado.

Saiba como identificar sinais de problemas de visão em crianças

Segundo a oftalmopediatra, Dra Cassiana Parise, nunca é cedo demais para o primeiro exame oftalmológico. A primeira avaliação dos olhos do bebê deve ser feita logo após o nascimento, por meio do teste do olhinho. A partir de então, recomenda-se a visita a um oftalmologista antes de a criança completar um ano, apresentando ou não os sintomas. Essa visita é muito importante pois pode revelar problemas como catarata congênita, desvios oculares, tumores, glaucoma, estrabismos e infecções, além de outras condições.

“Em casa, observe o comportamento visual das crianças no dia a dia: durante brincadeiras, e, quando maior, na aprendizagem escolar. As dificuldades escolares podem ter relação com problemas de visão”, destaca a médica.

Quanto mais cedo os pais perceberem qualquer pequena alteração na visão do seu filho e o levarem ao oftalmologista, melhores serão as chances de um tratamento mais eficiente.

Câncer nos olhos

Embora o retinoblastoma ganhou notoriedade essa semana, outros tipos mais frequentes de câncer podem afetar a visão de pessoas em diferentes idades, motivo que reforça a necessidade de visitar o oftalmologista periodicamente. Conforme explica o Dr. Angelino Cariello, existem os carcinomas que acometem as pálpebras e a superfície do olho e o melanoma que, semelhante ao retinoblastoma, pode atingir o fundo do olho e somente ser percebido em fases mais adiantadas.  Pessoas de pele clara, que trabalham expostas ao sol e que fumam apresentam maior risco de desenvolver essas neoplasias. O diagnóstico nas fases mais precoces permite um tratamento conservador que pode preservar a visão. Mas, conforme pontua o Dr. Cariello: “Infelizmente alguns pacientes procuram atendimento já com o tumor avançado e a única alternativa que resta ao médico é a remoção do olho, para preservar a vida”.

Uma ferida ou caroço na pálpebra que não quer sumir, uma mancha branca ou enegrecida na superfície do olho ou embaçamento visual progressivo podem ser sinais de câncer nos olhos. Proteção solar com bons óculos escuros e manter hábitos de vida saudáveis, como a prática de exercício físico, boa alimentação e evitar vícios como o tabagismo são formas de evitar o aparecimento dessas doenças. Entretanto, alguns tumores têm crescimento muito rápido e nas fases iniciais os pacientes podem não ter nenhum sintoma, assim, um acompanhamento médico regular com visitas rotineiras é fundamental.

Sobre o Opty

O Grupo Opty nasceu em abril de 2016, a partir da união de médicos oftalmologistas apoiados pelo Pátria Investimentos, que deu origem a um negócio pioneiro no setor oftalmológico do Brasil. O grupo aplica um novo modelo de gestão associativa que permite ampliar o poder de negociação, o ganho em escala e o acesso às tecnologias de alto custo, preservando a prática da oftalmologia humanizada e oferecendo tratamentos e serviços de última geração em diferentes regiões do País. Nesse formato, o médico mantém sua participação nas decisões estratégicas, mantendo o foco no exercício da medicina.

Atualmente, é o maior grupo de oftalmologia da América Latina, agregando 24 empresas oftalmológicas, e mais de 2600 colaboradores e 1200 médicos oftalmologistas. Além das marcas próprias HOBrasil (BA, DF, RJ e SP) e Centro Oftalmológico Dr. Vis (DF, RJ e SC), fazem parte dos associados: Instituto de Olhos Freitas (BA), o DayHORC (BA), Instituto de Olhos Villas (BA), Oftalmoclin (BA), Hospital Oftalmológico de Brasília (DF), Hospital de Olhos INOB (DF), Hospital de Olhos do Gama (DF), Hospital de Olhos Santa Luzia (AL), Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem (SC), Centro Oftalmológico Jaraguá do Sul (SC), Sadalla.Smart (SC), HCLOE (SP), Visclin Oftalmologia (SP), EyeCenter Oftalmologia (RJ), COSC (RJ), Oftalmax Hospital de Olhos (PE), UPO Oftalmologia – Unidade Paulista de Oftalmologia (SP), HMO – Hospital Medicina dos Olhos (SP), Visão Center (PE), OftalmoDiagnose (BA) e CEOP – Centro de Olhos do Pará (PA), resultando em 70 unidades de atendimento.

Folha

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.