FOLHA METROPOLITANA Jornal diário de Joinville e Araquari

Quem SomosAnuncieContato

   jornalismo@folhametropolitana.com

Empresários lotam auditório em Joinville para discutir ações e avanços em energias renováveis

Com auditório lotado, aconteceu em Joinville o workshop “Energia 360: Energia mais Barata e Sustentável para seu Negócio”, que integrou a programação especial da Interplast (Feira Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico), na quinta-feira (7), no Complexo da Expoville, em Joinville.
Vários empresários marcaram presença no workshop que durou aproximadamente duas horas e destacou a eficiência do sistema de energia solar, geração de energia elétrica e financiamentos. Cada um dos cinco painelistas do workshop teve 10 minutos para exposição ao público do tema. A mediação ficou por conta de um dos diretores da Celesc, Eduardo Cesconeto.
Um dos primeiros a iniciar a apresentação no workshop foi o Executivo de Vendas da TAB energia, Carlos Eduardo Pscheidt, que enfocou o crescimento do setor de energia solar no Brasil e em Santa Catarina. Por exemplo, no Estado foi registrado um aumento de aproximadamente 120% na produção desse tipo de energia em relação ao ano anterior, conforme a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). Atualmente, o Brasil possui 860 mil sistemas instalados. Santa Catarina aparece na 5ª colocação no ranking geral de Estados da federação, com mais de 40 mil sistemas instalados.
Carlos fez um alerta importante que despertou a atenção de todos que estavam participando do workshop. “A partir de janeiro de 2023, daqui a oito meses, teremos a aplicação de uma nova alíquota sobre a energia gerada aqui no Brasil por meio dos sistemas fotovoltaicos, cumprindo assim o que consta no Marco Legal da Geração Distribuída. A alíquota será aplicada de forma escalonada, iniciando com 15% no ano de 2023 e sendo ampliada nos anos seguintes até atingir os 100% da componente do Fio B. O custo da componente do Fio B varia entre os estados, mas na média ela representa aproximadamente 28% do custo total da tarifa. Ou seja, estamos falando de um novo imposto de aproximadamente 28% que será aplicado para os novos entrantes no sistema de geração distribuída a partir de 2023”, explica o Executivo de Vendas da empresa, Carlos Eduardo Pscheidt. Ele informa que as empresas, comércios e residências que conseguirem aprovar seus projetos até janeiro do próximo ano terão isenção da nova tributação até 2045, ou seja, 23 anos.
A empresa Vektor contou a presença do diretor de Mercado Livre e GD, Sandro Biettencourt de Souza, que explicou sobre a comercialização de energia no mercado livre. A Vektor possui uma linha completa de serviços para consumidores e geradores no Mercado Livre de Energia Elétrica, integrando soluções e conectando-se às oportunidades no mercado de energia. “Sozinhos somos mais rápidos. Juntos, vamos mais longe”, destaca o diretor.
O BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul) esteve representado no workshop pelo Gerente de Planejamento em Santa Catarina, Felipe Castro de Couto, explanou sobre linhas de crédito, juros, prazos e carências. Também comentou sobre a implantação, modernização ou repotencialização de unidades geradoras de energia hidráulica, solar, eólica e demais energias renováveis, assim como a aquisição de turbinas, geradores fotovoltaicos, aerogeradores e outros equipamentos para geração de energia e capital de giro.
Já o diretor de Eficiência Energética da Celesc, Thiago Jeremias, comentou que a estatal catarinense apoia as iniciativas e ações de geração de energia limpa, como é o caso da energia solar. Ele disse que é preciso buscar desenvolvimento e de criar mecanismos tecnológicos e a energia solar é um dos caminhos mais importantes para se consolidar.
Por fim, o professor da Udesc, Fabiano Andrade, citou exemplos de energias baratas e sustentáveis para o meio ambiente, proporcionadas pelo mercado de geração de energia em Santa Catarina.

Folha

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.