FOLHA METROPOLITANA Jornal diário de Joinville e Araquari

Quem SomosAnuncieContato /     Publicações Legais

   jornalismo@folhametropolitana.com

Documentário aprofunda história e consequências do fechamento do Canal do Linguado

"O Preço do Progresso" estreia nesta semana abordando questões econômicas, ambientais e sociais do aterramento na Baía da Babitonga

Estreia nesta semana o documentário “O Preço do Progresso: Canal do Linguado”, abordando os motivos e as consequências do fechamento do Canal do Linguado, na Baía da Babitonga. Com fartura de imagens, documentos e entrevistas, o filme é dirigido por Maicon Aloncio e foi produzido com recurso do Simdec, via mecenato. As exibições, todas gratuitas, acontecem nesta quinta-feira, 18, e sexta, 19, em unidades do CRAS, CEU Aventureiro e Amorabi, em Joinville.

O fechamento do canal, em 1935, que substituiu a ponte pivotante de 1909, impactou enormemente a região. O documentário explora desde a formação geológica da baía até as razões comerciais do fechamento e as consequências contemporâneas dessa decisão, analisando aspectos históricos, culturais, ambientais e sociais, incluindo a vida dos povos originários e a evolução das cidades.

O filme ainda desmistifica a controversa alegação de influência nazista no fechamento, focando nas verdadeiras motivações. É destacado o projeto Pro Babitonga, a tentativa frustrada de reabertura em 2001 e os estudos contemporâneos na baía, examinando sedimentos e avaliando os impactos potenciais de diferentes cenários de abertura do canal.

Para o diretor Maicon Aloncio, não há quem passe pelo aterro do Linguado e não ache no mínimo estranho o fato de um lado ter água e o outro, não. Uma simples resposta não sustentaria um documentário. “Há também um boato ligando o fechamento do canal ao regime nazista, o que mais atrapalha do que ajuda na superação de algumas questões locais”, afirma ele.

“A clareza sobre nosso passado com o peso da ciência histórica é uma boa justificativa para a produção do filme. Além disso, a questão do Linguado é um reflexo local de um problema global, e o entendimento dela pode nos auxiliar a refletir sobre questões que extrapolam os limites da Babitonga. Um documentário assim tem o potencial de provocar reflexões sobre si, sobre o outro e sobre o meio que nos cerca”.

Sobre o linguado

O Canal do Linguado faz parte da Baía da Babitonga, sendo a ligação entre ela e o Oceano Atlântico e a separação da ilha de São Francisco do Sul do continente. Sua extensão é de aproximadamente 23 km, com largura média de 2 Km. O canal, no trecho lagunar sul, possui 22 ilhotas e a do Linguado (também chamada João Dias), com 4km de comprimento. Em 1935, o canal foi fechado por um aterro para permitir a passagem da estrada de ferro, o que resultou  numa série de problemas ambientais para a Baía da Babitonga. 

Sessões gratuitas

Quinta, dia 18

9 horas

• CRAS Jardim Paraíso – Rua Crater s/n, Jardim Paraíso

• CRAS Parque Guarani – Rua Das Pitangas 350, Parque Guarani

• CRAS Adhemar Garcia – Rua Antenor Douat Baptista 205, Ulysses Guimarães

14 horas

• CRAS Pirabeiraba – Rua Pastor Dommel (anexo ao terminal de ônibus de Pirabeiraba)

• CRAS Paranaguamirim – Rua João Luiz de Miranda Coutinho 845, Paranaguamirim

Sexta, dia 19

9 horas

• CEU Aventureiro – Rua Theonesto Westrupp 627, Aventureiro

10 horas

• AMORABI – Rua Dos Esportistas 510, Itinga

14 horas

• CEU Aventureiro – Rua Theonesto Westrupp 627, Aventureiro

14h30

• CRAS Adhemar Garcia – Rua Antenor Douat Baptista 205, Ulysses Guimarães

19h30

• AMORABI – Rua Dos Esportistas 510, Itinga

Receba notícias em seu celular pelo grupo de WhatsApp do jornal Folha Metropolitana Curta nossa página do Facebook e siga-nos no Instagram

Folha Metropolitana

A diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida… Oscar Wilde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *