FOLHA METROPOLITANA Jornal diário de Joinville e Araquari

Quem SomosAnuncieContato /     Publicações Legais

   jornalismo@folhametropolitana.com

Dengue em SC: com a chegada do verão, prevenção precisa ser reforçada

O verão começa nesta sexta-feira, 22, e junto com ele inicia o período de maior transmissão das arboviroses. Isso porque a combinação de calor e chuvas, característica dessa época, promove o ambiente ideal para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor de dengue, Zika e chikungunya.

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC) alerta a população sobre a necessidade de verificar locais que possam acumular água pelo menos uma vez por semana. Esse é o tempo que o mosquito completa o ciclo de desenvolvimento, ou seja, do ovo à fase adulta. Por isso, a intervenção semanal pode interromper esse processo e diminuir significativamente a incidência das doenças.

“Qualquer recipiente que permita o acúmulo de água parada pode se tornar um foco em potencial para a reprodução do Aedes aegypti. Pneus, vasos de planta, caixa d’água, bandeja da geladeira, calhas, galões, baldes, garrafas e entulho estão entre os principais criadouros do mosquito”, explica Ivânia Folster, gerente de zoonoses da DIVE/SC.

Os ovos do Aedes aegypti podem permanecer em ambientes secos por mais de um ano. Quando entram em contato com a água, dão continuidade ao ciclo de vida do mosquito que inclui as fases de larva, pupa e adulto, quando ele é capaz de voar e transmitir os vírus.

Cada fêmea pode colocar até 1.500 ovos, por isso é importante olhar a casa, procurando todo e qualquer local que acumule água e possa ser usado para reprodução do vetor. “Quanto maior a quantidade de mosquitos, maiores são as chances de transmissão das doenças”, salienta a gerente. 

Para facilitar a rotina de verificação semanal da sua casa, acesse aqui algumas dicas.

Dengue

Aedes aegypti transmite dengue, Zika e chikungunya. Em Santa Catarina, o vírus que mais preocupa é o da dengue, que bateu recordes em 2023. Até agora, já foram confirmados 119.429 casos e 98 óbitos. 

Acesse aqui o informe epidemiológico completo.

Normalmente, a primeira manifestação da dengue é febre alta, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, além de prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos e manchas vermelhas na pele. Dor abdominal intensa e vômitos persistentes já são sinais de agravamento da doença. “A hidratação é o melhor tratamento para dengue. É importante beber bastante líquido assim que apresentar sinais e sintomas. Além de procurar atendimento médico para receber as orientações corretas”, finaliza Ivânia Folster. 

Receba notícias em seu celular pelo grupo de WhatsApp do jornal Folha Metropolitana Curta nossa página do Facebook e siga-nos no Instagram

Folha Metropolitana

A diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida… Oscar Wilde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *